Mundo

Carro voador é testado no Japão e já tem previsão de lançamento

De acordo com um cientista de pós-graduação da Universidade Estadual do Arizona, há razões para acreditar que existem pedaços de outro planeta enterrados no planeta Terra.

Nos siga também no Instagram, @engenhariahoje

Existem duas bolhas imensas, que contém um material denso nas profundezas do manto da Terra, mais especificamente sob a África Ocidental e o Oceano Pacífico.

Essas duas bolhas contam com milhares de quilômetros de largura, e segundo a Revista Science, existem evidências de que sejam fragmentos de um antigo protoplaneta.

Esse protoplaneta foi batizado de Theia, e caiu em nosso planeta cerca de 4,5 bilhões de anos atrás.

De acordo com a revista científica, muitos cientistas suspetivam que havia uma ligação entre as duas imensas bolhas (conhecidas como LLSVPs) e a Lua. No entanto, grande parte dos cientistas acreditavam que essas bolhas deveriam ser uma espécie de “cicatriz planetária” do impacto do protoplaneta.

Isto é, se acreditava que as bolhas eram somente uma cicatriz, e não pedaços do próprio planeta Theia.

A ideia de ter “pedaços” de outro planeta foi apresentado em uma conferência

Qian Yuan, o estudante de pós graduação responsável pelo novo estudo sobre os fragmentos apresentou sua ideia na Conferência de Ciência Lunar e Planetária neste mês de março.

A hipótese de Yuan foi a mais convincente, visto que até mesmo sismólogos que não participaram dos estudos afirmaram que a ideia é viável devido a principal evidência no trabalho do estudante.

 principal evidência foi que as bolhas encontradas são quimicamente diferentes de todo resto da rocha do manto que as cerca e tem seis vezes a massa da lua, sendo capaz de arrancá-la de nosso planeta.

Essa informação leva a acreditar que os LLSVPs tem origem extraterrestre, apesar da pesquisa ainda ser especulativa.

Alguns sismólogos que viram a pesquisa do estudante foram mais convencidos da ideia de que fragmentos de outro planeta estejam enterrados na Terra.

Caso a confirmação fosse realizada, isso relevaria que o passado antigo da Terra era muito mais violento que o atual, entre diversas outras informações relevantes ao meio científico.


Imagem em destaque: Mark Garlick/Science Photo Library/Getty Images

Fonte: Hype Science

Jose Roberto Neves

Comunicador Social, Formado em História pela Universidade Estadual da Bahia. Lecionou por mais de uma década na Escola Família Agrícola de Boquira e atualmente é editor do site Rede Boquira News e trabalha como radialista, exercendo a profiisão que sempre sonhou.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Que pena.